4 de dezembro de 2019

Rede estadual ganha mais 25 escolas em tempo integral


No próximo ano, 62% das vagas da rede estadual de ensino será para escolas em tempo integral. Mais 25 unidades irão oferecer essa modalidade. A ampliação foi anunciada nesta manhã, no Palácio do Campo das Princesas. Ao todo, serão 24 escolas de referência e uma Escola Técnica, somando 437 unidades com horário estendido e atividades extras.

A estudante Ana Márcia Lopes, de 15 anos, começa a cursar o 1° ano do ensino médio em 2020, na Escola Senador Jose Ermírio de Moraes, localizada na Agrovila Botafogo, no município de Itapissuma. Ela concluiu o ensino fundamental no tempo regular e comemora a oportunidade de poder se dedicar aos estudos do vestibular com mais tempo dentro da escola. "Vai ser um reforço para que eu possa estar mais focada. Vou poder aproveitar melhor a biblioteca para estudar para o Enem e escolher uma matéria que tenho mais aptidão", comenta.

Ana Márcia se junta a outros 200 mil alunos matriculados nas 392 escolas de referência e 45 Escolas Técnicas Estaduais. A escola de referência da Agrovila receberá reformas para se adequar ao novo regime. "O laboratório de informática funciona na mesma sala da biblioteca. Agora, acredito que a gente terá mais espaço. Já temos uma quadra, então o reforço vai ser mesmo no conteúdo que vamos passar aos nossos alunos", comentou a gestora da unidade, Josilene Pimentel.

Nove dessas escolas funcionam no Recife, duas em Olinda e três em Caruaru. Também terão unidades com tempo maior de funcionamento os municípios de Abreu e Lima, Camaragibe, Cabo de Santo Agostinho, Jaboatão dos Guararapes, Palmares, Sirinhaém, Serra Talhada, Serrolândia, Caraibeiras, Pesqueira, Cabrobó, Petrolina, Salgueiro, São José do Belmonte, Surubim e Sirinhaém.

Todas as 25 escolas já ofereciam o ensino regular e vão começar o novo regime no próximo ano. No início de 2020, deve ser entregue ainda a Escola Técnica Estadual em Abreu e Lima, que está em obras na fase final. Outras duas devem ser entregues no ano de 2021. Além do horário estendido, uma das diferenças está na matriz curricular, com o acréscimo das disciplinas eletivas, escolhidas pelos próprios estudantes, espaços de exercício, atividades culturais e esportivas, além do maior investimento. Enquanto uma escola com o tempo de funcionamento regular custa em torno de R$ 3 mil por aluno, a escola integral passa a custar quase R$ 6 mil.

"É um esforço permanente que vamos continuar a investir, com o aperfeiçoamento de uma política que deixou de ser do governo e se tornou de estado. Isso que tem ajudado a melhorar a política que tem ajudado a melhorar a educação de Pernambuco, em descuidar, efetivamente, de toda a rede. Vamos avançar para que até 2022 tenhamos 70% dos nossos alunos estudando em tempo integral porque isso dá a garantia que todo aluno tenha sua vaga garantida", comentou o governador Paulo Câmara.

O objetivo do governo é ter escolas em tempo integral em todas as regiões do estado. Para a escolha das unidades contempladas, os critérios foram as demandas dos estudantes, questões estruturais da instituição e a quantidade de escolas por município. Uma das escolas contempladas será a Escola Estadual Dom Bosco, no bairro de Casa Amarela. Ela funcionava com ensino regular e a partir do ano que vem, será uma ETE. 

De acordo com a Secretaria de Educação, a demanda estava crescendo, já que a Escola Luiz Delgado, localizada quase em frente acolhe a oferta de ensino regular. "Temos o critério de escolha porque temos escolas em todos os municípios de Pernambuco, então planejamos essa expansão em todo o estado. Na realidade, não temos a necessidade de termos mais vagas na rede porque com a mudança da pirâmide etária e o envelhecimento da população, nós temos vagas ociosas na rede. A princípio, estamos ampliando a oferta de vagas em tempo integral", comentou o secretário estadual de educação, Fred Amâncio.

O sistema de matrículas para rede está aberto até o dia 27 de dezembro. Para conseguir uma vaga para a modalidade de tempo integral, os alunos devem optar pela mudança de turno ou fazer o remanejamento de escola. "Com relação às novas escolas de tempo integral, alguns estudantes que começaram a fazer as matrículas e no sistema pareceu como escola regular, vamos contatar os estudantes para saber do interesse deles em continuar na escola ou ir para o projeto em tempo integral ou ser remanejado para outra escola. De imediato, o sistema vai abrir vagas para as novas escolas se ainda tiver vagas disponíveis", afirmou  o secretário.

Já no caso da ETE, o processo de seleção é diferente e já foi concluído em todas as 44 unidades. Para a Escola Técnica Estadual Dom Bosco, criada agora, será aberta uma nova seleção, provavelmente na próxima semana, para os cursos profissionalizantes de Publicidade e Marketing. Os alunos dos segundo e terceiro anos vão concluir a escola com o ensino regular tradicional, já que a matrícula no ensino integral deve ocorrer nos anos iniciais. Para os alunos do primeiro ano da Escola Dom Bosco, Amâncio informou que vai discutir a preferência dos estudantes sobre continuidade na nova modalidade ou transferência para outra unidade. "O tempo integral, não é só mais tempo na escola. É uma cultura e uma dinâmica diferente na escola. Então é sempre gradativos e entendemos que o melhor é concluir no mesmo regime", comenta o secretário.

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Quem somos

O Tribuna Belmontense é um blog de divulgação de notícias locais e regionais sobre os mais diversos assuntos de interesse geral.

Agradecemos sua visita. Volte Sempre :)

Twitter

Copyright © Tribuna Belmontense - São José do Belmonte - PE

Design por