21 de março de 2018

Remédios vão ficar em média 2,34% mais caros

Reajuste será aplicado em 1º de abril e vai de 2,09% a 2,84%, segundo o setor farmacêutico

Do Folha de Pernambuco

Comprar remédios vai ficar mais caro. É que o reajuste anual dos medicamentos comercializados no Brasil vai entrar em vigor em 1º de abril, como determina o Ministério da Saúde. E, neste ano, o aumento deve variar de 2,09% a 2,84%. O setor farmacêutico destaca, por sua vez, que o reajuste médio é de 2,43% -, o menor dos últimos dez anos.

O Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma) explicou que o reajuste, que normalmente é publicado no Diário Oficial da União em 31 de março, foi disponibilizado ontem no sistema de comercialização do setor. “Os novos índices constam do sistema on-line da CMED (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos), no qual as indústrias farmacêuticas cadastram os preços máximos de seus produtos, com reajuste, que poderão praticar a partir do próximo dia 31 de março”, informou o Sindusfarma.

O sindicato contou ainda que o reajuste varia de acordo com a disponibilidade do medicamento, sendo maior nos nichos que têm mais oferta. Os remédios que não sofrem concentração de mercado, portanto, serão reajustados em 2,84%. Os que têm uma concentração moderada terão um aumento de 2,47%. E os remédios de oferta reduzida serão corrigidos em 2,09%.

Calculado pela CMED, o reajuste considera fatores como produtividade, concorrência, câmbio e energia elétrica. A inflação oficial do País também é levada em conta. E, segundo a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), é essa taxa que vai permitir a aplicação de um reajuste menor neste ano. Afinal, a taxa tem apresentado um movimento de queda desde 2016. Em fevereiro, mês que é levado em conta pela CMED, por exemplo, ficou em 2,84%.

Ainda segundo a Interfarma, o reajuste dos remédios só ficou abaixo dos 3% em outras três ocasiões nos últimos 12 anos - 2007, 2012 e 2017. No ano passado, a média foi de 2,63%, mas o reajuste máximo foi de 4,63%. Já em 2016, esse número chegou a 12,5%, por conta da alta do dólar e da energia elétrica.

A associação ainda afirma que alguns remédios podem nem receber esse reajuste integralmente. “Os preços são regulados e não tabelados, ou seja, o governo estabelece um valor máximo, mas a concorrência de mercado é livre para a prática de descontos, que chegam a 60%”, contou o presidente-executivo da Interfarma, Antônio Britto, dizendo também que o reajuste não vai chegar logo em 1º de abril. Afinal, as farmácias costumam manter estoques cheios nesta época do ano para poder manter os preços antigos por algumas semanas.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Quem somos

O Tribuna Belmontense é um blog de divulgação de notícias locais e regionais sobre os mais diversos assuntos de interesse geral.

Agradecemos sua visita. Volte Sempre :)

Twitter

Copyright © Tribuna Belmontense - São José do Belmonte - PE

Design por