Tribuna Belmontense - São José do Belmonte - PE: Saiba como a Coreia do Norte consegue ganhar dinheiro mesmo sob sanções

13 de fevereiro de 2016

Saiba como a Coreia do Norte consegue ganhar dinheiro mesmo sob sanções



Saiba como a Coreia do Norte consegue ganhar dinheiro mesmo sob sanções




fechamento de um parque industrial na Coreia do Norte administrada por ambas Coreias custou à empobrecida Coreia Norte uma fonte legítima de renda significativa.

Seul alega que fechou o complexo de Keasong em resposta ao recente lançamento do foguete de longe alcance pelo regime de Pyongyang. O objetivo é impedir que seu vizinho use o dinheiro proveniente das fábricas nos seus programas nucleares e de mísseis.

Yonhap-11.fev.16/Efe
Na fronteira, veículos da Coreia do Sul aguardam em fila para entrar no complexo industrial de Kaesong
Na fronteira, veículos da Coreia do Sul aguardam em fila para entrar no complexo industrial de Kaesong

Com esse impacto na economia já instável de Pyongyang, pelo menos por ora o país se apoiará em suas outras fontes de renda, mantidas apesar das sanções econômicas internacionais decorrentes de seus programas nucleares e de armamento.

A ECONOMIA DE PYONGYANG
Seul e Washington querem o aumento das sanções econômicas e transações mais estritas para punir o ousado empreendimento nuclear e de mísseis da Coreia do Norte, porém há dúvidas quanto ao poder de coerção que pode ser exercido sob uma das economias menos dependentes de comércio do planeta.

É extremamente difícil saber como funciona essa economia porque o país não divulga estatísticas oficiais de comércio e considera valioso manter seus segredos.
O Banco Central da Coreia do Sul, no entanto, tem alguma ideia do que ocorre no país, usando como base dados que recebe anualmente de agências de governo, organizações relacionadas e investigações de instituições de pesquisa.

O banco publica estimativas sobre a economia norte-coreana desde 1991. Em seu último relatório, avaliou que houve crescimento de 1% da economia do país em 2014, chegando a 33,95 trilhões de won sul-coreanos (US$ 28,5 bilhões) —ou cerca de 2% da economia sul-coreana.

Segundo o Banco da Coreia, a soma das importações e das exportações do país vizinho naquele ano girava em torno de US$ 9,9 bilhões, incluindo US$ 2,4 bilhões só no comércio com o Sul. De acordo com o Ministério da Unificação, esse valor foi resultado unicamente das atividades em Kaesong.

NEGÓCIOS COM A CHINA
A China é o último forte aliado que Pyongyang tem. O país também é seu protetor diplomático e o mais importante parceiro comercial.

As principais exportações feitas para a China incluem carvão, minérios, vestuário, têxteis e produtos alimentícios, enquanto as importações feitas pela Coreia do Norte abarcam petróleo, aço, maquinaria, carros e eletrônicos, de acordo com a Agência de Promoção de Negócios e Investimentos da Coreia do Sul.

No entanto, é improvável que Pequim apoie o endurecimento das punições em relação aos testes nucleares e ao lançamento do míssil por temor de provocar um colapso no regime de Pyongyang, com potencial fluxo de refugiados por sua fronteira.

Transações com a China representaram mais de 74% das operações comerciais da Coreia do Norte em 2014, e mais de 90% quando se excluem os negócios com o parque industrial de Kaesong, de acordo com a agência oficial de estatísticas da Coreia do Sul, que analisa os dados do banco central e as informações de organizações do comércio.

PARQUE INDUSTRIAL DE KAESONG
O Ministério de Unificação da Coreia do Sul afirma que Kaesong forneceu 616 bilhões de won (US$ 560 milhões) para o Norte desde seu estabelecimento, em 2004, durante um momento de reaproximação dos rivais.

Mais de 120 companhias sul-coreanas empregaram em torno de 54 mil norte-coreanos em Kaesong, pagando para cada um US$ 150 por mês para fabricar produtos como roupas, relógios de pulso, cosméticos e componentes eletrônicos.

Editoria de arte/Folhapress
Kaesong Coreia do Norte
Kaesong Coreia do Norte
O ministério não forneceu explicações detalhadas sobre por que suspeita que o dinheiro vindo de Keasong tenha sido direcionado para os projetos nucleares e de mísseis da Coreia do Norte.
Jeong Joon-Hee, o porta-voz do ministério, descreveu como plausível que o dinheiro dado pelas companhias sul-coreanas em troca do trabalho norte-coreano fosse para os cofres de Pyongyang por causa da forma como os funcionários recebem seus salários.
Enquanto as companhias do Sul pagam o Norte com dólares, seus empregados norte-coreanos recebem o salário em wons de seu país, com base em uma taxa de câmbio estipulada pela Coreia do Norte.

EXPORTANDO TRABALHADORES
Especialistas internacionais dizem que, desde meados de 2000, a Coreia do Norte tem aumentado a quantidade de pessoas que vão trabalhar fora do país na tentativa de trazer mais moeda estrangeira forte.

Com base em informações coletadas por suas agências globais e relatórios de organizações internacionais, a Agência de Promoção de Negócios e Investimentos da Coreia do Sul estima que entre 60 mil e 100 mil norte-coreanos trabalhem em 40 países diferentes.

Marzuki Darusman, relator especial de direitos humanos da ONU na Coreia do Norte, reportou ano passado que mais de 50 mil norte-coreanos trabalham em outros países e levam à Coreia do Norte entre US$ 1,2 bilhão e US$ 2,3 bilhões anualmente em moeda internacional.

Os norte-coreanos são empregados em diversas atividades nos países estrangeiros, incluindo em restaurantes na China e no Sudeste Asiático e no setor de construção na Rússia, Oriente Médio e norte da África, de acordo com a Rede Internacional de Direitos Humanos para Trabalhadores Norte-coreanos no Estrangeiro.

Os empregados norte-coreanos normalmente enfrentam condições de trabalho severas e abusos, de acordo com relatório da ONU.

ATRAINDO TURISTAS
Nos últimos anos a Coreia do Norte tem tentando fortalecer o turismo por meio da promoção de zonas especiais de turismo e do desenvolvimento de áreas recreativas.

Oficiais norte-coreanos disseram à agência de notícias Associated Press que cerca de 100 mil turistas foram ao país em 2014, sendo que alguns milhares saíram da China.

O aumento da atividade ocorreu apesar das prisões de turistas incluindo, mais recentemente, o estudante norte-americano Otto Warmbier, que foi detido mês passado por conta de ato não especificado, mas descrito pelo Norte como "hostil".
Visitas ao resort Diamond Mountain por sul-coreanos foram populares por uma década até 2008, quando um guarda norte-coreano atirou em uma mulher sul-coreana. Em decorrência da morte, as visitas ao resort foram interrompidas.

O Departamento de Estado dos EUA alertou durante muito tempo sobre viagens à Coreia do Norte. Após o recente teste nuclear norte-coreano, Washington buscou o banimento do turismo e restrições à companhia aérea da Coreia do Norte, Air Koryo, em suas operações nos aeroportos ao redor do mundo. 

notícias de são josé do belmonte,  politica de são josé do Belmonte, belmonte política, belmonte notícias,polícia belmonte, polícia são José do belmonte, política de são José do Belmonte, são José do belmonte, belmonte, belmonte noticias blog, belmonte noticias 190,blogs de são Jose do belmonte, blogs de são José do Belmonte, são José do belmonte, tribuna belmonte, tribuna belmontense,belmonte, prefeitura de são José do Belmonte,

VOLTE À PÁGINA INICIAL





Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Quem somos

O Tribuna Belmontense é um blog de divulgação de notícias locais e regionais sobre os mais diversos assuntos de interesse geral.

Agradecemos sua visita. Volte Sempre :)

Twitter

Copyright © Tribuna Belmontense - São José do Belmonte - PE

Design por